domingo, 12 de novembro de 2017

Método cubano alfabetiza centenas de trabalhadores Sem Terra no extremo sul da Bahia

Método cubano de alfabetização tem avançado na popularização do acesso à leitura e escrita, combatendo as desigualdades sociais e os altos índices de analfabetismo no Brasil
Trabalhadores alfabetizados com "Sim, Eu Posso" | Foto: MST/Bahia 

O método cubano “Sim, Eu Posso” tem sido um instrumento importante de alfabetização de jovens e adultos, assentados e acampados de Reforma Agrária em toda a Bahia. No extremo sul do estado, o processo de escolarização toma grandes proporções, erradicando o analfabetismo em 11 áreas do MST. 

Fruto desse processo, no sábado, dia 18 de novembro, às 15h, o Assentamento Paulo Kageyama, localizado em Eunápolis, será palco da formatura de 29 turmas, que resultou na alfabetização de 233 trabalhadores e trabalhadoras Sem Terra. 

O “Sim, Eu Posso” tem avançado na popularização do acesso à leitura e escrita, combatendo as desigualdades sociais e os altos índices de analfabetismo no Brasil. De acordo com o último senso levantado pela Escola Popular de Agroecologia e Agrofloresta Egídio Brunetto, divulgado em 2015, o extremo sul baiano possui mais de 20% da população adulta e idosa não alfabetizada nas áreas de Reforma Agrária. Esse percentual se soma ao vergonhoso dado brasileiro, onde mais de 13 milhões de jovens e adultos não sabem ler ou escrever.

Leia também:
Com método cubano, MST vai alfabetizar 20 mil pessoas no Maranhão 
Programa cubano de educação já alfabetizou 10 milhões de pessoas pelo mundo
Com método cubano de educação, Unesco declara Bolívia um país livre do analfabetismo

Implementação

Em 2014, as primeiras turmas foram construídas através da “Campanha de Erradicação do Analfabetismo”, que se somou ao projeto “Assentamentos Agroecológicos”. A campanha marca o início de um processo de luta permanente pelo direito a educação no campo e a partir da agroecologia, um debate que também se apresentou com força na época, dinamizou a aprendizagem ao unir o modelo produtivo ás relações sociais, com foco na alfabetização. Desde então, as turmas com o método cubano cresceram e se espalharam por toda região. 

 A Direção do MST na Bahia avalia de maneira positiva os resultados do “Sim, Eu Posso” e acredita que a formatura será mais um espaço para legitimar o processo de escolarização dos trabalhadores Sem Terra e apontar a construção de novas turmas até erradicar, por definitivo, o analfabetismo nos assentamentos e acampamentos de todo estado.

Editado por Leonardo Fernandes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário