quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Concluída Brigada Internacional Pelos Caminho de Che; leia declaração final [+ vídeos]

Brigadistas participaram do grande ato em Santa Clara em homenagem a Che Guevara
Foto: Darío Gabriel Sánchez/ Cubadebate 
Por Sturt Silva

No último dia 13, a segunda edição da Brigada Pelos Caminhos de Che Guevara foi concluída. Brigadistas vindo de 22 países refizeram, entre os dias 1 e 13 de outubro, o caminho trilhado pelo médico guerrilheiro em Cuba. Do Brasil participaram 27 pessoas.

Além de defender o aprofundamento do estudo do pesamento político de Che Guevara, de apropriar-se do conceito de Revolução de Fidel Castro e de reafirmar apoio à Revolução de 1959 e de demandas cubanas como o fim do bloqueio, a devolução de Guantánamo ocupada e da atualização do modelo socialista cubano, a declaração final da brigada também expressou solidariedade aos ex-presidentes Lula (Brasil) e Cristina (Argentina), à Revolução Bolivariana, às causas dos povos palestino, saaraui e porto-riquenho, entre outros. Conheça abaixo o comunicado final da brigada:
No Brasil a brigada foi organizada pela ACJM-RJ
Declaração final da II Brigada pelos Caminhos de Che

Os 228 integrantes da II edição da Brigada Internacional de trabalho voluntário e de solidariedade a Cuba “Pelos Caminhos de Che”, procedentes de 22 países, rendem homenagem ao Guerrilheiro Heroico no seu 50º aniversario de morte em combate. O Comandante Ernesto Guevara é eterno inspirador das revoluções e das transformações sociais no mundo e de todos aqueles que com seu exemplo e sacrifício lutaram pela emancipação de Nossa América. Também nos inspiramos no legado do líder histórico da Revolução Cubana, Comandante em Chefe Fidel Castro Ruz. 

Antes de nossa chegada, ocorreram os furacões Irma e Maria. Queremos expressar nossas sinceras condolências aos povos irmãos e governos de Barbuda, Cuba, Dominicana, Ilhas Virgens e Anguila, Porto Rico, República Dominicana, São Martin, Ilhas caribenhas que foram afetadas. Também nossa solidariedade com o povo e governo mexicano pelas perdas humanas e materiais causadas por terremoto. Agradecemos a iminente ajuda oferecida pelo governo de Cuba na recuperação desses países. Ao mesmo tempo lamentamos a morte de 50 pessoas inocentes, vítimas do ataque de 1º de outubro, na cidade de Las Vegas, nos Estados Unidos. 

Temos sido testemunhas da luta e resistência do povo de Martí e Fidel contra as constantes agressões perpetradas por diferentes administrações estadunidenses como tem sido a implementação do criminoso bloqueio econômico, comercial e financeiro. O imperialismo desenvolve uma forte ofensiva contra os povos que lutam pela construção de um mundo livre, não só com armas e soldados, mas também com aplicações de novos métodos de intervenção como o denominado "golpe suave", prática que se apoia no uso intensivo das redes sociais e meios de comunicação tradicionais,  que tetam destruir a estabilidade econômica, política e social da região.

Ratificamos ao povo de Cuba e ao seu governo revolucionário nosso incondicional compromisso de continuar defendendo e divulgando os valores e conquistas da Revolução Cubana; assim como o acompanhamento permanente de todas as batalhas que são impulsionadas por um mundo melhor, mais justo, mais equitativo e de paz. 
Brigadistas brasileiros - Cueva de los Portales | Foto: Sergio Caldieri 
Reafirmamos o compromisso inabalável com os princípios da Carta das Nações Unidas e do Direito Internacional para resolver as diferenças, a convicção profunda em que o pleno respeito ao direito inalienável de todo Estado de escolher seu sistema político, econômico e sociocultural, constituem a condição essencial para assegurar a convivência pacífica entre as nações e pedimos que estes princípios sirvam de base para as relações de outros Estados com nossa região.

Assista: abertura da brigada:


Tendo em conta o descrito acima, nos comprometemos a:

1- Enfatizar o legado do líder histórico da Revolução Cubana, Fidel Castro Ruz, como referência e paradigma ético dos povos do mundo e continuar aprofundando o estudo do pesamento político de Ernesto Che Guevara.

2- Realizar ações para demandar o fim imediato do bloqueio econômico, comercial, financeiro contra Cuba que continua provocando danos ao seu povo, sendo o principal obstáculo para o desenvolvimento econômico e ao mesmo tempo afeta outros países por seu caráter extraterritorial.

3- Priorizar a luta pela devolução do território ilegalmente ocupada pela Base Naval dos Estados Unidos em Guantánamo, por constituir uma violação flagrante da soberania cubana.

4-Exigir o fim das ações terroristas organizadas e financiadas pelos Estados Unidos contra Cuba e os povos do mundo.

5- Solicitar à União Internacional de Telecomunicações que faça valer as normas internacionais para que termine as transmissões ilegais de rádio e TV “Martí” que manipulam e mentem sobre a realidade cubana.

6- Demandar o fim dos programas de subversão e desestabilização contra a ilha e que respeite sua soberania, autodeterminação e independência.

7- Ratificar nosso apoio irrestrito ao processo de atualização do modelo econômico cubano que inevitavelmente levará o fortalecimento de seu sistema socialista.

8- Expressar a mais energética condenação das declarações desrespeitosas, ofensivas e ingerencistas contra Cuba e o governo cubano, ditas pelo presidente dos EUA, Donald Trump, durante o 72º período de sessões da Assembleia Geral da ONU em Nova Iorque, uma vez que respaldamos as palavras do chanceler cubano Bruno Rodriguéz Parrila em sua resposta.

9- Denunciar e repudiar a ingerência dos Estados Unidos no mundo, que pretende empobrecer os povos e destabilizar os governos progressistas democraticamente eleitos.

10- Exigir atenção prioritária às necessidades da África, especialmente da região subsariana, apoiar a independência econômica desses povos que têm sido historicamente explorados pelos países imperialistas.
Brigadistas brasileiros reunidos no CIJAM | Foto: Priscila Brasil
11- Apoiar a causa dos povos saaraui e palestino.

12- Defender o direito dos povos originários de existir, repudiamos a violência policial contra os afro-americanos nos Estados Unidos, assim como reclamamos a libertação de presos políticos no mundo.

13- Estimular a unidade e a integração latino-americanas e apoiar a proclamação da CELAC, que declarou a América Latina e o Caribe como Zona de Paz, mostrando que, além de nossas diferenças, podemos avançar para a unidade e a consecução de objetivos comuns dentro do quadro da nossa diversidade.

14- Reiterar nosso apoio permanente e incondicional à Revolução Bolivariana, iniciada pelo Comandante Hugo Chávez, encabeçado hoje pelo presidente Nicolás Maduro, ante as continuadas agressões da direita, aliada do imperialismo. Também rechaçamos a ordem executiva emitida pelos Estados Unidos que classifica a Venezuela como uma ameaça à sua segurança nacional, justificando assim as ameaças militares, as sanções unilaterais, injustas e arbitrárias.

15- Saudar com profundo agradecimento o governo e povo cubanos por toda sua contribuição, apoio e compromisso com a busca da paz para Colômbia e de todos os povos do mundo.

16- Expressar nossa solidariedade com o ex-presidente do Brasil, Luís Inácio Lula da Silva e com a ex-presidenta da Argentina, Cristina Fernández, que têm sido vítimas de perseguição política que pretende impedir mediante inabilitação judicial suas candidaturas nas eleições diretas em seus países.

17- Reclamar em todos os cenários possíveis o direito do povo de Porto Rico de alcançar sua independência e autodeterminação; do mesmo modo exigimos a devolução à Argentina das ilhas Malvinas, Sandwich do Sul e Geórgia do Sul.

18- Estimular a participação no IX Encontro de Solidariedade com Cuba - que será realizado na Nicarágua-, no mês de julho do próximo ano, assim como em outros eventos e brigadas que convoque o ICAP para 2018.

19- Reforçar a batalha nas redes sociais em favor de Cuba e todas as causas justas do mundo, como novo espaço de comunicação política e de luta em tempos atuais. Fazer um maior uso dos sites do ICAP e somar-se ao projeto “Conectando América" que serve de ferramenta para interconectar ao Movimento de Solidariedade com Cuba no mundo.

20- Assumir como nosso o "conceito Revolução", expresso pelo invicto comandante Fidel Castro Ruz no dia 1º de Maio de 2000.
Brigadistas realizando trabalho voluntário | Foto: Yanela González González 
Viva o Guerrilheiro Heroico Ernesto Che Guevara!
Viva Fidel, Sempre Fidel!
Viva a amizade e a solidariedade entre os povos!
Viva a Revolução Cubana!
Até a vitória sempre!

Acampamento Internacional "Julio Antonio Mella", Caimito, Artemisa, 13 de outubro de 2017.

Assista: encerramento da brigada:


Tradução e adaptação: Surt Silva/Blog Solidários.
Com informações do ICAP.

Um comentário:

  1. Muito boa matéria sobre o sucesso da II Brigada Internacional em Cuba. Parabéns Sturt Silva. Abraços do Sergio Caldieri-Niterói-Brasil

    ResponderExcluir