quinta-feira, 25 de maio de 2017

50 anos da morte de Che: jornalista cubano lança "Canto épico a la ternura" no Brasil

Evento em Porto Alegre, agora com novo local, será dia 6 de junho - Reprodução| ACJM/RS
Por Vânia Barbosa 

No próximo mês de junho, o jornalista e professor Santiago Feliú estará em Porto Alegre para o lançamento da segunda edição do seu livro Canto épico a la ternura, em homenagem a obra e ao pensamento de Che Guevara, nestes 50 anos que marcam o seu assassinato na Bolívia, em 9 de outubro.

Com 285 páginas, a obra tem 158 canções, de autoria de 100 músicos de 17 países Ibero – americanos, compostas e interpretadas após a morte do guerrilheiro.

Esta segunda edição será publicada no Brasil pela Associação Cultural José Martí/RS, com o apoio do Coletivo dos Jornalistas Brasileiros Amigos de Cuba/RS, e faz parte das atividades realizadas em todo o mundo para lembrar o ideário de Che, que ocorrem durante 2017, com os 50 anos da sua morte, e seguem até 14 de junho de 2018, quando Che completaria 90 anos.

O lançamento do livro e o espetáculo musical, previstos, anteriormente, para o Centro Cultural Érico Veríssimo, ocorrem, às 19h, do dia 06 de junho, no Solar dos Câmara, na Rua Duque de Caxias, 968, na Assembleia Legislativa do Estado.

Segundo o vice-presidente da Associação Cultural José Martí/RS, Ricardo Haesbaert, a justificativa é a de que a CEEE suspendeu o contrato “por ordem do Secretário do estado de Minas e Energia”, o que caracteriza “uma retaliação e oposição ideológica dignas de um estado de exceção”. O rompimento do contrato ocorreu no final da última sexta-feira (26/05), e após as entidades realizadoras assumirem gastos, como de publicidade e divulgação, causando problemas e indignação pelo fato de o Centro Érico Veríssimo ser até então um espaço democrático de expressão cultural no Estado.

A obra é de autoria do jornalista e professor cubano Santiago Feliú, e a publicação no estado é da ACJM/RS.O evento terá, ainda, a apresentação dos músicos gaúchos Leonardo Ribeiro; Ernesto Fagundes;Paulinho Fagundes; Liane Schuler; Demétrio Xavier; Marisa Rotemberg; Ciro Ferreira; Mário Falcão e Pablo Lanzoni, que interpretam canções de compositores brasileiros e outros latino-americanos, registradas na obra de Feliú.

Ainda no mês de junho, a obra terá lançamento em Florianópolis, Baixada Santista e Belo Horizonte, pelas entidades estaduais de solidariedade a Cuba. 

Em 1995 Feliú recebeu o Prêmio Ibero - americano de Ética pela investigação jornalística sobre Che Guevara, e pela importância das suas obras audiovisuais foi selecionado, em 2010, para fazer parte da União de Escritores e Artistas de Cuba – UNEAC.  Ainda sobre Che, publicou a obra “Latinoamérica le Canta al Che Guevara” (1995), e realizou oito documentários sobre a vida e o pensamento do guerrilheiro.  

No capítulo do Brasil constam as seguintes músicas e seus compositores: 

Soy loco por ti, América, Gilberto Gil e Capinan;
Che Guevara, Álvaro e João Villaverde;
Quem tem coragem? Pedro Munhoz Em nome do Che, Antonio Augusto Fagundes;
Balada para Che Guevara, Luiz de Miranda/Ernesto Fagundes/Paulinho Fagundes Aleluia, Sérgio Ricardo; 
Che, Geraldo Vandré; 
Memorias del Che, Dante Ramón Ledesma;  
Porqué será Che Guevara, Jorge Guedes e João Sampaio; 
Balada para Guevara (instrumental) Nenê (Realcino Lima Filho). 

O livro registra, ainda, a iniciativa do cantautor Ernesto Fagundes, que em 1997 produziu o CD Guevara Vivo, com 10 canções dedicadas a Che, com o apoio da Secretaria de Cultura de Porto Alegre.

Outras agendas no Rio Grande do Sul

Além de participar de programas e entrevistas em Porto Alegre, o jornalista Santiago Feliú terá encontros com estudantes da comunicação da Unisinos, educadores universitários e comunicadores populares que atuam nos movimentos sociais no estado. Participa da Convenção Estadual de Solidariedade a Cuba, dialoga com representantes da Cebrapaz, da Frente Gaúcha de apoio à Palestina, viaja a Gramado para a inauguração da Associação José Martí do Município, e dialoga com cartunistas gaúchos sobre a obra e o pensamento de Che Guevara.  Também participa de um debate no Sindicato dos Jornalistas do RS, com os Jornalistas Moisés Mendes e Celso Schröder, e ministra aula aos alunos da turma de cooperativismo Fidel Castro, no Instituto de Educação Josué de Castro, em Veranópolis, a convite do MST.

Além de jornalista e professor, Santiago Feliú é escritor e repórter da Revista Tricontinental – Órgão oficial da Organização de Solidariedade dos Povos da África, Ásia e América Latina – OSPAAAL. Fez parte da equipe de imprensa de Fidel Castro em suas viagens oficiais, e foi fundador da primeira Escola no Campo de Cuba (ESBEC) “8 de octubre”, en 1969.

É graduado no Instituto Pedagógico Enrique José Varona, com ênfase em Historia e Marxismo, com pós – graduação e mestrado em Movimiento Obrero Internacional, e foi diretor de Vocacional LENIN e outras ESBEC, em Havana.

Como diplomata representou Cuba pelo CC do  PCC nos seguintes países: Panamá (1987); Colômbia. (1994); Bolívia. (1999/2003) e na Guatemala (2005 /2010).

Vânia Barbosa é jornalista e coordenadora do Coletivo de Jornalistas Brasileiros Amigos de Cuba/RS.

Um comentário: