terça-feira, 27 de setembro de 2016

OMS, Brasil e Cuba oficializam em Washington renovação do programa Mais Médicos

Para a diretora regional da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS), Carissa Etienne, o programa Mais Médicos contribuiu para “assegurar que a população brasileira tivesse acesso a uma atenção básica de saúde de qualidade”, sendo um importante exemplo de parceria internacional bem-sucedida.

A OPAS/OMS (Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde) e o Ministério da Saúde do Brasil e de Cuba oficializaram na segunda-feira (26/09) a renovação por mais três anos do programa Mais Médicos. A assinatura de um termo de ajuste com o Brasil e de um convênio de cooperação com Cuba foi feita no marco do 55º Conselho Diretor da OPAS, em Washington, nos Estados Unidos.

De acordo com a diretora regional da OPAS/OMS, Carissa Etienne, o Mais Médicos é um grande exemplo de parceria internacional bem-sucedida. “Não surpreende que o programa tenha despertado o interesse de outros países da região”, disse.

Ela também agradeceu Brasil e Cuba pela oportunidade que significou para a OPAS de “servi-los no processo” que tornou possível a existência do programa. Para Carissa, a iniciativa contribuiu para “assegurar que a população brasileira tivesse acesso a uma atenção básica de saúde de qualidade”.

O representante da OPAS/OMS no Brasil, Joaquín Molina, disse estar satisfeito com os resultados da iniciativa, que tem levado assistência a milhões de brasileiros. “A renovação do programa Mais Médicos depois de seus primeiros três anos significa o reconhecimento do importante valor e o saldo que o projeto deixou tanto para a cooperação cubana quanto para o sistema de saúde no Brasil. É um projeto de grandes proporções, com 11,4 mil médicos mobilizados pela OPAS/OMS”.

Já o vice-ministro de Saúde Pública de Cuba, José Angel Portal Miranda, ressaltou que o programa “mostra o valor da cooperação na melhoria da saúde da população”, enquanto o secretário-executivo do Ministério da Saúde do Brasil, Antonio Carlos Figueiredo Nardi, disse que a iniciativa “é uma parceria extraordinária que muda vidas”.

Nardi também destacou o “enorme impacto” do programa, que, segundo ele, aumentou o número de consultas e reduziu consideravelmente a necessidade de pessoas se deslocarem até um hospital para receberem cuidados em sua comunidade.

Criado em 2013 pelo governo federal brasileiro com o objetivo de suprir a carência desses profissionais nos municípios do interior e nas periferias das grandes cidades, o Mais Médicos recebeu a colaboração da representação da OPAS/OMS no Brasil, que mobilizou médicos de Cuba para atuar em unidades de saúde do país. Com o programa, foi possível preencher 18.240 vagas em 4.058 municípios brasileiros e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas. Dessas, 11.429 foram ocupadas pelos profissionais cubanos.

Os médicos de Cuba atuam na área de atenção básica, atendendo pessoas com diabetes, hipertensão e hanseníase, entre outras doenças, além de promoverem ações educativas e realizarem consultas de pré-natal. Eles também estão entre os profissionais que trabalham na prevenção e diagnóstico do vírus zika e no acompanhamento de crianças com microcefalia.

Uma pesquisa feita pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) em parceria com o Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (IPESPE) — com aproximadamente 14 mil entrevistas — apresentou avaliações positivas da população sobre o desempenho dos profissionais brasileiros e estrangeiros que integram a iniciativa.

Do total de entrevistados, 81% possuem baixa renda e 95% afirmaram estar satisfeitos com o programa. De 0 a 10, deram nota 8,4. Entre os indígenas, a média foi de 8,7.

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Cuba: Vem aí o Congresso Internacional de Pedagogia [2017]


Por Maria Leite

O Congresso Pedagogia, será realizado entre os dias 30 de janeiro a 03 de fevereiro de 2017 no Palácio das Convenções de Havana - Cuba.

Cada um desses temas centrais será discutido em simpósios e fóruns, e serão abordados nos cursos (pré-congresso e paralelo ao evento), desenvolvidos por professores cubanos.

Os simpósios serão organizados em conferências, mesas redondas, painéis, apresentações de cartazes e orais, como formas de integrar o conteúdo das questões centrais e fomentar o debate científico. 

O programa inclui visitas especializadas aos centros educacionais e instituições científicas em Havana.

O prazo limite do envio de trabalhos para apresentação é 31 de outubro.



1 - Educação valores e cidadania por uma cultura de paz;

2 - O desempenho profissional dos professores no desenvolvimento e transformação dos sistemas de ensino;

3 - Desafios e perspectivas na formação de professores.

4 - As políticas públicas em ciência, tecnologia e inovação para o desenvolvimento inclusivo e sustentável.

5 - Tecnologia informação e comunicação na educação e sua contribuição para a cultura e para o desenvolvimento sustentável.

6 - A avaliação da qualidade para uma educação inclusiva e equitativa no âmbito da Agenda de Educação 2030

7 - A educação ambiental para o desenvolvimento sustentável e prevenção de acidentes

8 - Cultura, educação e sociedade.

9 - A educação física, esporte e saúde nas instituições de ensino.

10 - Assistência integral para a infância e adolescência.

11 - Orientação no processo de ensino e  aprendizagem.

12 - Vocação, formação profissional e orientação profissional, de acordo com as demandas sociais.

13 - Organização  e gestão das instituições de ensino.

14 - Contribuições das Ciências da Educação no desenvolvimento da prática educativa.

15 - Integração escolar - família - comunidade de desenvolvimento humano sustentável.

16 - A alfabetização e educação de jovens e adultos.

17 - O pensamento de José Martí e Fidel Castro na obra educativa cubana.

18 - Pensamento educativo da América Latina.

19 - Desafios e Perspectivas na formação de profissionais em uma universidade inovadora.

20 - Influência dos sindicatos e associações de professores no desenvolvimento sustentável do ensino.

21 - Educação inclusiva, equitativa, e a qualidade educacional e aprendizado ao longo da vida;

22 - Educação para os povos indígenas e do setor rural, políticas inovadoras para o desenvolvimento humano sustentável.

23 - Qualidade da formação técnica e profissional e sua contribuição para o desenvolvimento socioeconômico dos países

Maiores informações sobre o congresso: http://www.pedagogiacuba.com/es/convocatoria

Passagem Aérea: 

COPA via Panamá

AVIANCA via Panamá:

A hospedagem poderá ser em casas de cubanos autorizados a alugar para estrangeiros.

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Parlamento cubano também condena golpe de Estado contra Dilma

Seção do parlamento cubano/Foto Arquivo
Do Vermelho

A Comissão de Relações Internacionais da Assembleia Nacional do Poder Popular de Cuba (como é chamada a Câmara de Deputados), emitiu uma nota onde condena “energicamente” o golpe de estado parlamentar no Brasil que destituiu a presidenta eleita Dilma Rousseff. 

No documento, os parlamentares afirmam que “a decisão dos senadores brasileiros de destituir do cargo a presidenta Dilma sem evidências de crimes de responsabilidade, nem corrução, pesará sobre suas consciências como vergonhosa traição ao povo”. 

A atuação dos 20 senadores que votaram contrários ao impeachment também foi destacada como uma “atitude digna” no documento. Destacam também que grande parte dos parlamentares brasileiros favoráveis ao golpe estão envolvidos em escândalos de corrupção e “carecem de autoridade moral para destituir uma mandatária passando por cima do povo que a elegeu”. 

Leia mais: 
Cuba rechaça energicamente o golpe de estado contra Dilma

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Primeira Declaração de Havana: há 56 anos o povo cubano reagia contra o imperialismo

Fidel Castro durante a Primeira Declaração de Havana. Foto: Raúl Corrales
Do Fuzil contra Fuzil

Em 1960, num 2 de setembro, em um contexto em que os Estados Unidos se utilizavam da Organização de Estados Americanos como ferramenta para dominação de toda América Latina e para hostilizar Cuba, quando a organização declarava que Cuba era "um perigo para toda a América", mais de um milhão de cubanos se reuniram em Havana e em assembleia geral aprovaram a seguinte declaração denunciadora lida por Fidel Castro:



“Primeira Declaração de Havana"

(2 de Setembro de 1960)

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Cuba rechaça energicamente o golpe de estado contra Dilma

Declaración del Gobierno Revolucionario de Cuba: Rechazamos enérgicamente golpe parlamentario a Dilma [Español]


Leia a íntegra da nota do governo revolucionário de Cuba sobre o golpe de Estado no Brasil concluído nesta quarta-feira (31):

O Governo Revolucionário da República de Cuba rechaça energicamente o golpe de Estado parlamentar-judicial que foi consumado contra a presidenta Dilma Rousseff.

O afastamento do governo da Presidenta, sem que se apresente nenhuma evidência de corrupção nem de crimes de responsabilidade, e com ela do Partido dos Trabalhadores (PT) e outras forças políticas de esquerda aliadas, constituem um ato de desacato à vontade soberana do povo que a elegeu.

Durante os governos de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff se impulsionou um modelo econômico-social que permitiu ao Brasil dar um salto em seu crescimento produtivo com inclusão social, a defesa de seus recursos naturais, a geração de emprego, o combate a pobreza, a saída da miséria de mais de 35 milhões de brasileiros que viviam em condições inumanas, e a elevação dos rendimentos de outros 40 milhões, a ampliação das oportunidade na educação e na saúde do povo, incluídos os setores até então marginalizados.

Leia mais:
Cuba liderou buscas por "Dilma" no Google 
Nota do governo de Cuba sobre o afastamento de Dilma

Dilma e presidente cubano, Raúl Castro/Agência Brasil

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Cuba liderou buscas por "Dilma" no Google

Colagem: Blog Solidários
Da Reuters

Cuba é o país que mais buscou pelo termo "Dilma" no Google nas últimas 24 horas, segundo levantamento do Google Trends divulgado ontem (29), dia em que a presidente afastada Dilma Rousseff fez sua defesa no Senado e respondeu a questionamentos dos parlamentares no julgamento do processo de impeachment. 

Logo atrás de Cuba esteve o Brasil, seguido por Angola, Uruguai e Portugal. O ranking leva em consideração a proporção entre o volume de buscas e a população de cada país.

Leia mais:
Golpe de estado: Nota do governo revolucionário de Cuba sobre o afastamento de Dilma 
Organizações sociais de Cuba condenam golpe e manifestam apoio a Dilma
2014: votação de Dilma em Havana

domingo, 21 de agosto de 2016

Cobertura de Cuba no Rio 2016

Cuba na abertura das olimpíadas/2016. Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo
Cobrimos a participação de Cuba nos jogos olímpicos do Rio de Janeiro. Cuba, que foi representada por 123 atletas, competiu em 123 provas de 20 modalidades.

Aqui no blog fizemos 19 postagens, com repercussão em nossa página no facebook e no nosso perfil no twitter. Os resultados das competições de Cuba postamos em tempo real no twitter e os feitos mais importantes, incluindo as conquistas das medalhas, postamos, com destaque, na nossa página no facebook.

Cuba ficou na 18ª colocação no quadro geral de medalhas com 11 no total, sendo 5 de ouro, 2 de prata e 4 de bronze. O 18º, deixou Cuba à frente de países como Canadá e Nova Zelândia. Na América Latina e Caribe ficou atrás apenas do Brasil, país sede, e da Jamaica. Dos países que não são desenvolvidos, Cuba também ficou atrás de Quênia.

Todas as matérias: 

Posição final de Cuba nos jogos olímpicos Rio 2016 [todas as medalhas] 
Boxe cubano ganha mais 2 ouros e Cuba fica entre as 20 melhores no Rio 2016 
Julio La Cruz, ouro no Rio 2016: em especial ao povo cubano e ao comandante FidelDenia Caballero também dedica sua medalha no disco a Fidel Castro 
Vitória do socialismo: Mijaín Lopez se sagrou tricampeão olímpico em cima de um ultradireitistaCampeão cubano dedica ouro olímpico a Fidel Castro por seus 90 anos 
Boxeador cubano dedica vitória nas Olimpíadas a Fidel Castro 
Cuba no Rio 2016: Idalys Ortiz é prata e boxe garante pelo menos mais um bronze
Cuba: Bronze escapa no judô; Boxe e vôlei de praia continuam invictos no Rio 2016 
Campanha pede fim do bloqueio dos Estados Unidos contra Cuba durante os jogos olímpicos 
Boxe assegura as duas primeiras medalhas para Cuba no Rio 2016 
Vôlei de praia e boxe deixam terça-feira cubana vitoriosa no Rio 2016 
Cuba no Rio 2016: sobrinho do lendário Félix Savón estreia com vitória no boxe 
Rio 2016: Cuba vence Brasil em sua estreia no vôlei de praia
Rio 2016: Cuba tem apoio da torcida, mas perde para a Rússia no vôlei masculino 
Cuba fica no 'quase' no judô em seu primeiro dia de Jogos Olímpicos 
Cuba no Rio 2016: Videoclipe da música "Rio, Rio, Rio" 
Especialistas cravam 7 ouros para Cuba no Rio 2016.

Posição final de Cuba nos jogos olímpicos Rio 2016 [todas as medalhas]

Arte: Rio 2016
Cuba fechou sua participação nos Jogos Olímpicos Rio 2016 com 11 medalhas, sendo 5 de ouro, 2 de prata e 4 de bronze. Ficou na 18º, à frente de países como Canadá e Nova Zelândia. Na América Latina e Caribe ficou atrás apenas do Brasil, país sede, e da Jamaica.
A meta de Cuba era ficar entre os 20 melhores classificados no quadro geral de medalhas.

Os campeões - ouros

Boxe cubano ganha mais 2 ouros e Cuba fica entre as 20 melhores no Rio 2016

Ramirez e Lopes, campeões olímpicos no Rio 2016. Foto: Roberto Marejón
Depois da campeã mundial, Yarisley Silva, não alcançar 4.70 e terminar em sétimo na final do salto com vara e da luta livre não repetir o feito da luta greco-romana, sobrou para o boxe, no penúltimo dia do Rio 2016, atingir a meta traçado pelos cubanos para os jogos: ficar entre as 20 melhores delegações no quadro geral de medalhas. E os boxeadores cubanos não decepcionaram. 

Cuba em fotos