sexta-feira, 17 de novembro de 2017

"Fidel é Fidel": Assembleia Legislativa da Bahia recebe exposição sobre Fidel Castro

Fidel é Fidel: Salvador recebe exposição nesta segunda-feira (20) de líder da Revolução Cubana


A Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA) recebe entre os dias 20 e 24 de novembro, no Saguão Josaphat Marinho, a mostra “Fidel es Fidel”, com a exposição de 17 fotografias históricas do líder da Revolução Cubana registradas pelo fotógrafo Roberto Chile. 

Um dos destaques é a foto “La estrella de Fidel”, que mostra a famosa boina do revolucionário e a estrela vermelha – parte integrante da bandeira de Cuba. 

Aberta ao público, a atividade antecede a Sessão Especial em Homenagem Póstuma a Fidel Castro, morto em 25 de novembro de 2016, a ser realizada no plenário da Casa na sexta-feira (24) às 9h30. Os eventos foram propostos pelo deputado estadual Marcelino Galo (PT). 


Serviço: 

Exposição: “Fidel es Fidel”. 
 Local: Saguão Josaphat Marinho, entrada principal da Assembleia Legislativa da Bahia. 
Abertura: 20 de novembro (segunda-feira) a 24 de novembro (sexta-feira). 
Entrada: gratuita. 
Classificação: livre.

Homenagem histórica

Além da exposição, no dia 24, Fidel será homenageado na ALBA com uma seção especial história:

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Vamos pra Cuba: Brigada Sul-americana com inscrições abertas até 22 de dezembro

Que ir a Cuba e conhecer a realidade do único país socialista do ocidente com seus próprios olhos? Então o momento é agora. Veja como:
XXV Brigada Sul-americana homenageará os 90 anos de nascimentos de Che Guevara
Por Sturt Silva

Trata-se da Brigada Sul-americana de Trabalho Voluntário e Solidariedade a Cuba, onde pessoas do Brasil, Argentina, Chile, Paraguai e Uruguai visitarão Cuba com objetivo de conhecer melhor a realidade do povo cubano e contribuir, através de jornadas de trabalho voluntário, com o desenvolvimento agrícola e produtivo do país. 

Em 2018 a brigada, que será realizada entre os dias 21 de janeiro e 4 de fevereiro, chegará a sua XXV edição e homenageará os 90 anos do nascimento do guerrilheiro heroico, Ernesto "Che" Guevara, e os 65 anos do assalto aos quartéis Moncada e Carlos Manuel Céspedes. 

As inscrições estão abertas até o dia 22 de dezembro de 2017. A coordenadora da brigada é Yarisleidis Medina Valle, diretora do ICAP (Instituto Cubano de Amizade dos Povos) para América Latina e Caribe. Se você estiver interessado em participar procure os movimentos de solidariedade a Cuba na sua cidade ou estado. Na barra lateral de nosso site, na seção “movimento brasileiro de solidariedade a Cuba” e "páginas solidárias", temos links que pode ajudá-lo a entrar em contato.

Serão quatorze noites – delas, sete no Acampamento Internacional “Julio Antonio Mella”-CIJAM, localizado no Município de Caimito, a 45 km da cidade de Havana e cinco em hotéis das províncias de Camagüey, Granma e Santi Spíritus. Também ocorrerão visitas a centros históricos em Villa Clara e Santiago de Cuba.

Brigada homenageará também os 65 anos do assalto aos quartéis Moncada e Céspedes:


A estadia terá o custo de 595 CUC (veja a cotação na época, mas 100 dólares em Cuba vale 87 CUC) e inclui alojamento em habitações divididas com seis pessoas no caso do CIJAM, alimentação e transporte para todas as atividades da programação. As jornadas de trabalho voluntário serão em áreas próximas ao CIJAM – acampamento criado em 1972 que conta com condições adequadas para satisfazer a vida coletiva e as necessidades das pessoas que visitam Cuba. 

O brigadista deve se comprometer a cumprir o programa previsto e observar adequadamente as normas de conduta, disciplina e convivência social.

OBS: Caso não conseguir dessa vez, em abril/maio tem outra: é a Brigada Internacional Primeiro de Maio.

Programação da XXV Brigada Sul-americana de Trabalho Voluntário e Solidariedade a Cuba

domingo, 12 de novembro de 2017

Método cubano alfabetiza centenas de trabalhadores Sem Terra no extremo sul da Bahia

Método cubano de alfabetização tem avançado na popularização do acesso à leitura e escrita, combatendo as desigualdades sociais e os altos índices de analfabetismo no Brasil
Trabalhadores alfabetizados com "Sim, Eu Posso" | Foto: MST/Bahia 

O método cubano “Sim, Eu Posso” tem sido um instrumento importante de alfabetização de jovens e adultos, assentados e acampados de Reforma Agrária em toda a Bahia. No extremo sul do estado, o processo de escolarização toma grandes proporções, erradicando o analfabetismo em 11 áreas do MST. 

Fruto desse processo, no sábado, dia 18 de novembro, às 15h, o Assentamento Paulo Kageyama, localizado em Eunápolis, será palco da formatura de 29 turmas, que resultou na alfabetização de 233 trabalhadores e trabalhadoras Sem Terra. 

O “Sim, Eu Posso” tem avançado na popularização do acesso à leitura e escrita, combatendo as desigualdades sociais e os altos índices de analfabetismo no Brasil. De acordo com o último senso levantado pela Escola Popular de Agroecologia e Agrofloresta Egídio Brunetto, divulgado em 2015, o extremo sul baiano possui mais de 20% da população adulta e idosa não alfabetizada nas áreas de Reforma Agrária. Esse percentual se soma ao vergonhoso dado brasileiro, onde mais de 13 milhões de jovens e adultos não sabem ler ou escrever.

Leia também:
Com método cubano, MST vai alfabetizar 20 mil pessoas no Maranhão 
Programa cubano de educação já alfabetizou 10 milhões de pessoas pelo mundo
Com método cubano de educação, Unesco declara Bolívia um país livre do analfabetismo

Implementação

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

4 milhões de turistas visitaram Cuba em 2017

Che Guevara em Havana

Cuba atingiu nesta segunda-feira (06/11) a marca de 4 milhões de visitas internacionais. Os dados, do Ministério do Turismo do país, mostram que a cifra foi alcançada quase dois meses antes do dia em que, em 2016, a marca foi registrada.

O dado é ainda mais significativo se for considerado que o país sofreu com a passagem do furacão Irma, que em setembro deste ano deixou mortos na capital e causou inúmeros danos elétricos na região. 

De lá para cá o governo cubano, realizou um intenso trabalho de recuperação das áreas afetadas, possibilitando a abertura de diversos pontos turísticos da região, que voltaram a operar normalmente, segundo enfatizou a nota do Ministério do Turismo.

Neste ritmo, a ilha terá recebido 4,7 milhões de turistas até o final do ano, num crescimento de 16,5% em relação a 2016. No ano passado, pela primeira vez, o país recebeu mais de 4 milhões de viajantes, e a meta para 2018 é elevar este número para 5 milhões. 

Além disso, o total de viajantes a turismo que saíram dos Estados Unidos em direção a Cuba aumentou 150% no primeiro semestre de 2017. Este crescimento é creditado às políticas de reaproximação de Washington com Havana, impulsionadas pelo então presidente norte-americano Barack Obama. 

Segundo o ministro cubano do setor, Manuel Marrero, não foi apenas o crescimento do turismo norte-americano que influenciou nos números. Para ele, a criação de novas rotas para Cuba (como a proveniente da Turquia) e o surgimento de novas frequências para Havana (em especial, das companhias Air Europa e Air France) também foram responsáveis pelo crescimento. Os países que mais mandam turistas a Cuba são Espanha, França, Itália e Alemanha, além do Canadá, que lidera a lista.

domingo, 5 de novembro de 2017

Legado de Fidel Castro abordado em semana universitária da UnB

Legado de Fidel Castro em debate na Universidade de Brasília | Foto: Nescuba
Por Sturt Silva

No último dia 24 de outubro, foi apresentado um painel sobre Fidel Castro dentro da VII Semana Universitária da UnB (Universidade de Brasília).

Organizado pelo Núcleo de Estudos Cubanos (Nescuba), o evento contou com a participação do jornalista Beto Almeida, do coordenador do grupo parlamentar Brasil-Cuba, Fernando Mousinho, e do vice-ministro da indústria de Cuba, na década de 60, e colaborador de Che Guevara, Ingeniero Tirso Saenz.

Conduzido pelos professores Erlando da Silva e Maria Auxiliadora César, cerca de 100 estudantes e professores debateram e refletiram sobre a obra e legado de Fidel e a atualidade cubana.


Com informações da Embaixada de Cuba e do Nescuba.

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Pela 26ª vez consecutiva ONU condena bloqueio dos EUA contra Cuba

ONU: votação da resolução contra o bloqueio - 2017: 191 a favor, 2 contra | Arte: CubaMINREX 
Do Opera Mundi 

A Assembleia Geral da ONU aprovou, nesta quarta-feira (01/11), pela 26ª vez consecutiva, uma resolução que condena e pede o fim do bloqueio econômico que os Estados Unidos impuseram sobre Cuba. Foram 191 votos a favor, 2 contra (de EUA e Israel) e nenhuma abstenção.

Ao contrário da votação de 2016, quando os EUA decidiram se abster, a embaixadora do país na ONU, Nikki Haley, votou contra a resolução. O movimento vem no âmbito da troca de governo nos Estados Unidos e do novo posicionamento da administração de Donald Trump em relação à ilha, revertendo a aproximação iniciada pelo ex-presidente Barack Obama.

Apesar das sucessivas aprovações, o governo norte-americano justificava a continuidade do bloqueio dizendo que a decisão de derrubá-lo cabia ao Congresso, e não à Casa Branca.

O chanceler cubano, Bruno Rodríguez, representou o país na Assembleia, e fez um discurso bastante aplaudido pela Assembleia Geral.
Mais uma vitória de Cuba contra os EUA na ONU | Arte: Vermelho

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Juventude cearense debate o legado de Che Guevara e o bloqueio contra Cuba

II Encontro da Juventude com Cuba, Fortaleza | Foto: Rádio Rebelde
Da Rádio Rebelde

Na tarde do último sábado (28), jovens representantes de entidades estudantis, de trabalhadores e do Movimento dos Trabalhadores sem Terra (MST) estiveram reunidos na sede da ADUFC Sindicato, em Fortaleza, para o II Encontro da Juventude com Cuba, organizado pela Casa da Amizade Brasil-Cuba do Ceará.


O evento contou com a participação da Consul Geral de Cuba para o Nordeste, Laura Ivete Pujol, além de Mônica Valente, Secretária Nacional de Relações Internacionais do Partido dos Trabalhadores e representações da União Nacional dos Estudantes (UNE), MST, movimentos sociais e partidos políticos.


Em sua palestra Laura Pujol discutiu a atual situação do bloqueio econômico vivido por Cuba, suas consequências nefastas para a economia do país e os atuais ataques "acústicos" que foram utilizados pelos EUA como pretexto para retirar grande parte dos diplomatas americanos de Hanava. A Consul ainda reforçou a necessidade de integração e envolvimento das juventudes para o processo revolucionário.


Durante o evento foi exibido ainda vídeo de estudantes (pioneras) cubanas sobre o simbolismo de Che para os jovens e sua vida enquanto cidadãos de Cuba. 

Assista trecho:


Veja fotos do evento clicando aqui.

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Embaixadas de Cuba e Venezuela em Brasília homenageia Che Guevara

Ato foi na Embaixada da Venezuela | Foto: Cuba Hoy
Por Sturt Silva

As embaixadas da Venezuela e de Cuba promoveram, no último dia 26, em Brasília, ato para lembrar os 50 anos do assassinato do guerrilheiro Ernesto "Che" Guevara.

O embaixador cubano, Rolando Gómez Gonzalez, defendeu Che Guevara como elemento para o  enfrentamento da atual ofensiva da direita contra os governos progressistas latino-americanos.

Para Rolando, Che "foi  talvez o melhor exemplo de uma vida consistente com um ideal" e observou que seu comportamento irrepreensível "é um símbolo do novo homem necessário para a humanidade do presente e do futuro".

Destacou também a relevância do seu pensamento econômico, os seus méritos como estrategista militar e o fato de nos ensinar a necessidade de adequar as lutas e as ações revolucionárias e de transformação da sociedade às condições concretas de cada país e suas circunstâncias históricas. 

"Símbolo da América rebelde e revolucionária", foi assim que o representante da embaixada da República Bolivariana da Venezuela no Brasil, Gerardo Delgado, se referiu ao guerrilheiro. Ele também lembrou que com Che aprendemos que no imperialismo não se podia confiar: "mas nem tantinho assim, nada".

Qualquer ato de recordação ao Che passa pelo coração e fortalece a consciência, porque não se trata de uma homenagem formal, mas para lhe dar vida, expressou o jornalista brasileiro Beto Almeida, que se referiu à impossibilidade de poder abraçar em uma comemoração as enormes dimensões desta figura histórica.
Jornalista Beto Almeida participou da homenagem | Foto: Cuba Hoy
Almeida esclareceu ainda a validade da mensagem de unidade lançada pelo guerrilheiro a todas as forças revolucionárias e progressistas e sinalizou a Revolução Cubana como um exemplo.